quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Atividade

Muro das Lamentações

Fonte: Organizado pelas autoras do Blog

Caro internauta deixe sua contribuição nos Comentários para nosso muro das lamentações. Em uma palavra-chave exprima sua idéia sobre a falta de prática da compostagem doméstica por parte da sociedade.


Árvore dos Sonhos

Fonte: Organizado pelas autoras do Blog

Agora deixe sua contribuição nos Comentários com uma palavra-chave que exprima o seu sonho para uma sociedade que pratica a compostagem.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Horta

Fonte: http://cecaneunb.wordpress.com/2010/10/14/a-horta-2/

A horta pode ser trabalhada em todos os aspectos educacionais. É importante que o aluno seja incentivado a valorizar a horta e que aprenda também a consumir as hortaliças produzidas. Os estudantes podem aprender a prepará-las de forma criativa e ser informado sobre seu valor nutritivo, ao participar do seu preparo, demonstrando satisfação ao consumir o que ajudou a cultivar. A existência de hortas nas escolas é importante para enriquecer a alimentação, ajudar na mudança de hábitos alimentares, e despertar o interesse dos alunos pela natureza.
Ao trabalhar com a horta escolar, vários objetivos podem ser atingidos como:
§  Melhorar a educação dos escolares mediante uma aprendizagem ativa e integrada a um plano de estudos de conhecimentos teóricos e práticos sobre diversos conteúdos;
§  Produzir verduras e legumes frescos e de baixo custo, enriquecendo nutricionalmente alimentação escolar (Para isso basta que as hortaliças sejam plantadas e cuidadas com carinho e dedicação);
§  Proporcionar aos escolares experiências de práticas ecológicas para a produção de alimentos, de tal forma, que possam transmiti-las a seus familiares e, conseqüentemente, aplicá-las em hortas caseiras ou comunitárias;
§  Melhorar a nutrição dos escolares complementando os programas de alimentação escolar com alimentos frescos, ricos em vitaminas, minerais e fibras alimentares e sem contaminação por agrotóxicos.

Toda a comunidade escolar pode contribuir com a horta. Essas pessoas são necessárias e desempenham importante função na implementação, conservação, e manutenção da horta. Vale ressaltar que, no período de recesso e férias escolares, a comunidade do entorno da escola (pais de alunos e professores) poderá disponibilizar um tempo a fim de cuidar da horta, para que essa não acabe durante esse período. Quanto maior for o envolvimento da comunidade, maior será seu comprometimento com a qualidade e permanência da horta na escola. Por este motivo, é fundamental que se convide toda a comunidade escolar para participar das atividades que envolvem a horta, para que esses se sensibilizem e sintam-se responsáveis pela manutenção da horta na escola. Promover a participação dessas pessoas, por exemplo: na celebração do plantio do primeiro canteiro; na realização da festa da colheita, entre outras ações.
A horta, como estratégia de aprendizagem, propicia que os alunos construam conhecimentos e habilidades que lhes permitam produzir, descobrir, selecionar e consumir os alimentos de forma adequada, saudável e segura, contribuindo com a inserção de mais legumes e verduras na alimentação escolar e familiar.

COMO FAZER UMA HORTA DOMÉSTICA
video
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=fvMDnexhPfg&playnext=1&list=PL99348D7B1D82590C&index=2
Indicação de Leitura: CAPRA, F. Alfabetização Ecológica: o desafio para a educação do século 21. In: TRIGUEIRO, A. (coord.).  Meio Ambiente no século XXI. Rio de Janeiro: Sextane, 2003.







          
 Fonte: http://www.amecampos.org.br/Noticias/ver-not.asp?
Id_not=80&Assunto=12+de+outubro+-+Dia+da+leitura

Fonte: 

Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar – CECANE. A horta. 2010. Disponível em: http://cecaneunb.wordpress.com/2010/10/14/a-horta-2/. Acesso em: 17 de novembro de 2010.
Mapeamento do processo: implantação e implementação do projeto Educando com a Horta Escolar. 2010
Caderno Educação: Educando com a Horta. MEC 2007
Caderno 2: Orientações para Implantação e Implementação da Horta Escolar. MEC. 2007



Lixo Doméstico

 O que é?
O lixo doméstico nada mais é que o lixo que sai de nossas casas e de pequenos estabelecimentos, ele pode ser "menos tóxico" que os lixos depositados no meio ambiente por grandes indústrias, mas é lixo, e deve ser tratado como tal. O lixo doméstico se concentra em vidros, metais, plástico e papel, contendo até mesmo vidros de remédios, lâmpadas incandescentes e fluorescentes (esta que contém o metal mercúrio).
A grande preocupação está em reduzir e reaproveitar (principalmente), e só depois reciclar (os três erres: reduzir, reutilizar e reciclar). É muito importante separar os lixos, todos: papéis de plástico, de metais e especialmente os vidros, principalmente eles, temos que ter um cuidado especial em relação aos vidros: quando forem remédios, são todos separados em uma sacola só, lâmpadas fluorescentes também, tem que serem separadas de todo o resto do lixo por ter contido dentro de si o mercúrio (um tipo pesado de metal que polui o solo, as águas e é prejudicial à saúde dos seres vivos), o resto dos vidros são separados em outra sacola, lembrando que todo vidro deve ser enrolado em jornal e as lâmpadas fluorescente sempre tem que ser muito bem ensacadas, pois o mercúrio não pode sair da sacola, pois é prejudicial à saúde e ao meio ambiente.



Bem, agora entramos no lixo tóxico, quem não tem a mania de jogar aquela pilha ou bateria velha junto de todo o lixo? Pois é, está errado, esse tipo de lixo tem que se separado também dos outros e sempre com cuidado, pois a substância tóxica que polui a água, o sole e faz mal a saúde não pode vazar para fora da sacola.
O lixo orgânico é outro lixo que tem que ser separado dos outros lixos, pois estes são destinados a aterros e viram até adubo.
Sempre tome cuidado para "não comprar lixo", pois muitas vezes temos a mania de comprar produtos em lindas embalagens cheias de papel e fita, temos que comprar o que utilizamos e evitar desperdiçar papel e etc. Antes de tudo vale lembrar que é muito importante, reduzir e reaproveitar, pois reciclar é o último caso, principalmente no caso do plástico, pois quando você recicla uma garrafa plástica, você ajuda a fazer camisetas, solas de sapato, material para saco de dormir e etc., coisas que duram mais que garrafas plásticas, logo, uma boa solução seriam as garrafas retornáveis, garrafões de água, garrafas de refrigerante, todas retornáveis, logo, teriam poucas garrafas apenas para viagens e etc. Se dessem preferência sempre as garrafas e não as latinhas e por ai vai.
Temos que ter atenção nos locais em que deixamos o lixo, devemos procurar coletas seletivas sempre, pois geralmente o serviço público não é associado a grupos que "cuidam do lixo", infelizmente. As atitudes começam com a nossa preocupação, e se cada um fizer sua parte já é de grande importância, pois uma das questões mais discutidas hoje em dia é: onde iremos colocar nosso lixo? Pode ser mais fácil deixar o serviço público que na maioria das vezes mistura o lixo e deposita em lixões, mas nós preservamos o meio ambiente "cuidando do lixo de forma correta", e assim garantimos a sobrevivência de nossas futuras gerações.

FORUM CIFRA CLUB. Lixo doméstico, cuidado com o planeta! Disponível em: <http://forum.cifraclub.com.br/forum/11/170843/>. Acesso em: 15 de novembro de 2010.


JÁ OLHARAM EM TORNO DE SI, NAS ATIVIDADES DEVIDAS AO HOMEM, QUANTO LIXO É GERADO?


A atividade mais tranqüila, como sentar-se em frente à televisão, acarretará a geração de um resíduo, que será um resto de um tira-gosto ou uma ponta de cigarro; esses resíduos, pode-se dizer que são devidos ao consumo final de bens. Pensem, agora, que, para produzir esses mesmos bens, quantos resíduos foram gerados nas fábricas de tira-gostos a nas de cigarros.
Pode-se afirmar, com certeza, que o homem é um gerador contínuo de resíduos extra-naturais, se comparado a outros animais.
Dos lixos urbanos, há aqueles chamados lixos domésticos, que são os resíduos gerados no dia-a-dia nas residências dos cidadãos e por extensão, nos restaurantes, hospitais e nos locais de trabalho (neste caso, somente considerando aqueles assemelhados aos gerados nas residências).
Dos lixos domésticos se excluem, para facilitar o entendimento, os pós de varrição, os restos de obras e os líquidos que vão esgoto abaixo, entre outros que não ficam bem caracterizados.
Dessa forma, pode-se dizer que nossos lixos domésticos se constituem basicamente de papéis em geral, embalagens diversas em vidro, metal, plásticos e caixas, além de restos de alimentos (que são a parte orgânica do lixo) e outros eventuais, como utensílios descartáveis com o uso.
Temos a certeza que as soluções para o lixo doméstico não podem ser padronizadas, haja vista que cada região e cada município têm suas características de cultura e potenciais geradores diferentes e isso ocorre até dentro de um mesmo município. Dessa forma, ao se lançar um projeto de coleta seletiva, esse deve ser previamente muito bem debatido com a população alvo, para que se sinta o que será melhor aceito por ela e também muito bem analisada a demanda, caso contrário, haverá o risco de se gerar outras pilhas de "lixo".

Fonte:

BRASIL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). 2010. Disponível em: http://www.cnpma.embrapa.br/provejetos/index.php3?sec=eduam:::99. Acesso em: 20 de novembro de 2010.

Compostagem

 O que é Compostagem?
“A compostagem é um processo que pode ser utilizado para transformar diferentes tipos de resíduos orgânicos em adubo que, quando adicionado ao solo, melhora as suas características físicas, físico-químicas e biológicas. Conseqüentemente se observa maior eficiência dos adubos minerais aplicados às plantas, proporcionando mais vida ao solo, que apresenta produção por mais tempo e com mais qualidade. Portanto, a redução do uso de fertilizantes químicos na agricultura, a proteção que a matéria orgânica proporciona ao solo contra a degradação e a redução do lixo depositado em aterros sanitários pelo uso dos resíduos orgânicos para compostagem, contribuem para melhoria das condições ambientais e da saúde da população. A técnica da compostagem foi desenvolvida com a finalidade de acelerar com qualidade a estabilização (também conhecida como humificação) da matéria orgânica. Na natureza a humificação ocorre sem prazo definido, dependendo das condições ambientais e da qualidade dos resíduos orgânicos. Na produção do composto orgânico vários passos devem ser seguidos, onde diversos questionamentos vão surgindo.” (OLIVEIRA, 2005)
Fonte: http://www.cfcvirtual.com.br/noticias/not_detalhe.php?id_noticia=36&id_area=7
Quais materiais são considerados resíduos orgânicos?
“Os resíduos orgânicos constituem todo material de origem animal ou vegetal e cujo acúmulo no ambiente não é desejável. Por exemplo, estercos de animais (cavalo, porco,  galinha etc), bagaço de cana-de-açúcar, serragem, restos de capina, aparas de grama, restos de folhas do jardim, palhadas de milho e de frutíferas etc. Estão incluídos também os restos de alimentos de cozinha, crus ou cozidos, como cascas de frutas e de vegetais, restos de comida etc.” (OLIVEIRA, 2005)

Quais materiais orgânicos são necessários para fazer o composto orgânico?
“É necessário o lixo doméstico orgânico, que é rico em nitrogênio (N), um nutriente importante para que o processo bioquímico da compostagem aconteça, e  restos de capim ou qualquer outro material rico em carbono (C), como palhadas de milho, de banana,  folhas de jardim, restos de grama etc. Caso tenha disponibilidade de esterco de animais, como boi, galinha, porco etc., a sua utilização como fonte de microrganismos decompositores acelera a formação do composto. A proporção de C e N é quem regula a ação dos microrganismos para transformar o lixo em adubo, devendo a mistura de resíduos orgânicos ter uma relação C/N inicial em torno de 30, ou seja, os microrganismos precisam de 30 partes de carbono para cada parte de N consumida por eles.  Na Tabela 1 é apresentada a composição de alguns materiais empregados no preparo do composto.” (OLIVEIRA, 2005)

Quais  materiais não devem ser misturados no composto?
“Madeiras tratadas com pesticidas ou envernizadas, vidro, metal, óleo, tinta, plásticos e fezes de animais domésticos. Não utilizar também papel encerado ou produtos que contenham qualquer tipo de plastificação.” (OLIVEIRA, 2005)


O que se deve evitar no lixo orgânico doméstico para compostagem?
“Deve-se evitar as gorduras animais, pois são de difícil decomposição, como também restos de carne, por atrair animais domésticos, e revistas e jornais, que são de decomposição mais lenta e podem ser reciclados.” (OLIVEIRA, 2005)

Como separar e armazenar o lixo orgânico doméstico?
“Utilize duas latas de lixo em sua cozinha com capacidade de 50 ou mais litros. Em um dos recipientes coloque o lixo seco (jornais, revistas, vidro, metal, plástico etc). Na outra lixeira coloque o lixo orgânico. Após encher a lixeira, leve os resíduos para o local destinado ao preparo do composto e comece a formar as pilhas de compostagem.” (OLIVEIRA, 2005)

Qual o melhor local e que materiais se necessita para preparar o composto?
“O local para fazer o composto deve ser reservado, próximo à um ponto de água, com espaço suficiente para o reviramento da pilha, com terreno de boa drenagem e de modo que a água possa escorrer para um local apropriado. Inicialmente deve-se revolver a terra com uma enxada antes de depositar a primeira camada de resíduos orgânicos no solo. Deve-se dispor como materiais básicos de uma pá, carrinho de mão, mangueira d’água, ancinho, enxada e um vergalhão de ferro.” (OLIVEIRA, 2005)

 Como é feito o composto?
“O composto é feito sobrepondo os resíduos orgânicos, formando-se pilhas ou leiras. A montagem da leira é realizada alternando-se os diferentes tipos de resíduos em camadas com espessura em torno de 20 cm. Por exemplo, forma-se uma camada com restos de capina, acompanhada por outra com restos de cozinha. A seguir adiciona-se uma camada de serragem e depois outra com restos de comida novamente, assim sucessivamente até esgotarem os resíduos . Ou seja, deve-se intercalar as camadas de restos de cozinha e de plantas secas. O tempo que o processo pode levar depende do tipo de resíduos orgânicos utilizados. Intercalar camadas com esterco  de qualquer animal é muito interessante, pois o mesmo funciona como inóculo de microrganismos e o processo tende a ser muito mais rápido. A cada camada montada deve-se irrigar sempre. Isso é fundamental para dar condições ideais para os microrganismos transformarem e decomporem os resíduos orgânicos. Com a leira pronta não é necessário molhar até  o primeiro reviramento. Caso tenha cinzas disponíveis, essas podem ser colocadas  na formação da pilha. A primeira e última camada devem ser de restos de capinas ou outro tipo de palhada. Outra forma de compostagem consiste em se misturar uniformemente todos os resíduos orgânicos, formando uma pilha e cobrindo com palha.” (OLIVEIRA, 2005)

Qual o tamanho da leira?
“A leira deve ter de 1,2 a 1,5 m de altura, 1,5 a 2 m de largura e comprimento de  2 a 4 m. Mas essas dimensões podem ser alteradas em função da quantidade disponível de resíduos domésticos e do espaço disponível, não se devendo no entanto ter leiras menores que 1,0 m3 (1,0 m de altura x 1,0 m de largura x 1,0 m de comprimento), que dificultam a manutenção da temperatura ideal.” (OLIVEIRA, 2005)

Quantas vezes é preciso revirar o composto?
“O reviramento ocorre quando se observar as barras de ferro frias ou muito quentes, o que pode ocorrer logo na primeira semana. Na dúvida pode-se estabelecer uma rotina de reviramento semanal da leira.” (OLIVEIRA, 2005)

Quais organismos são responsáveis pela de composição?
“Diversos organismos participam da decomposição, dentre eles os microrganismos como fungos e bactérias e os macrorganismos como protozoários, minhocas, besouros, lacraias, formigas, aranhas etc.” (OLIVEIRA, 2005)

O que fazer se o composto não esquentar?
“O processo de aquecimento deve iniciar até o quinto dia de formação das leiras. Caso isto não ocorra, existem duas causas prováveis. A primeira causa pode ser devido a pequena quantidade de lixo orgânico (falta de N) em relação ao capim, devendo-se  adicionar mais lixo orgânico e revirar a leira, misturando os materiais e cobrindo com palha. Se a causa for o excesso de água, deve-se revirar a leira, misturando-se bem as partes externas mais secas com as partes internas da leira. Se ainda assim o composto estiver muito molhado, deve-se adicionar mais capim seco, misturando bem com os outros materiais da leira. Se a causa for falta de umidade, deve-se ao mesmo tempo revirar e molhar a leira uniformemente.” (OLIVEIRA, 2005)

Quando o composto está pronto?
“A compostagem leva de 9 a 16 semanas, dependendo do material orgânico utilizado, das condições ambientais (no verão é mais rápido) e do cuidado no revolvimento constante e uniforme da leira. O composto está pronto quando após o revolvimento da leira a temperatura não mais aumentar. O material humificado (composto) se apresentará com cor marrom escura cheiro de bolor, homogêneo, sem restos vegetais entre 10 e 15 semanas.” (OLIVEIRA, 2005)



Como verificar a maturidade do composto?
“Pegar um copo, adicionar dois dedos de composto, completar com água e adicionar uma colher de café de amoníaco. Mexer e deixar descansar para decantar areia, terra e outros materiais insolúveis. Observar, então, a coloração do líquido. Se ficar escuro como uma tinta preta e apresentar a maior parte das partículas em suspensão, o composto está maduro. Por outro lado, se o líquido apresentar cor de chá ou café fraco e a maior parte do material se depositou no fundo do copo, então o composto está cru. Se o líquido mostra uma coloração escura, sem ser preta e um pouco do material em suspensão, a compostagem não terminou e o composto está na fase de semi-cura, ou seja, ainda imaturo.”  (OLIVEIRA, 2005)

Como o composto melhora o solo?

“Além de ser uma fonte de nutrientes (N, P, K etc), a adição de matéria orgânica do composto melhora a estrutura física do solo, proporcionando aos solos arenosos maior retenção de água e de nutrientes, enquanto nos solos argilosos aumenta a porosidade, melhorando a sua aeração. Aumenta também a população de microrganismos benéficos, como bactérias e fungos, que disponibilizam os nutrientes minerais do solo para as plantas.”  (OLIVEIRA, 2005)

 Onde o composto orgânico pode ser utilizado?
“O composto orgânico pode ser utilizado em todos os cultivos e plantas. Na Tabela 2 são indicadas algumas dosagens para cultivos diversos em chácaras e jardins. Para cultivos comerciais, as dosagens a serem utilizadas devem ser baseadas na exigência da cultura e no teor de nutrientes do composto.” (OLIVEIRA, 2005)

Fonte:
OLIVEIRA, A.M et al. Compostagem Caseira de Lixo Orgânico Doméstico. Disponível em: <http://www.cnpmf.embrapa.br/publicacoes/circulares/circular_76.pdf> Acesso em: 30 outubro de 2010.
Lixo. Disponível em:<http://www.pucrs.br/mj/poema-ecologia-18.php> Acesso em: 30 outubro de 2010

Educação Ambiental

video
Fonte: WWF-Brasil - Mundo. In:  http://www.youtube.com/watch?v=Z9N1FX0Bmn4&feature=related

O que é?
Educação ambiental se refere à transmissão do conhecimento em relação ao meio ambiente, e trata principalmente a idéia de preservação e conservação dos seus recursos. Devido aos grandes prejuízos que ação humana trouxe ao ambiente, gerando inúmeras catástrofes naturais, houve a necessidade de repensar os costumes e hábitos humanos que prejudicam o meio natural.
Dessa forma, a educação ambiental incorpora fortemente a proposta de sustentabilidade, ou seja, incentiva o uso dos recursos da natureza de forma consciente, de forma a prejudicar o menos possível o equilíbrio entre o meio ambiente e as comunidades humanas, para que as gerações futuras possam também utilizar desses recursos naturais.
Segundo a Embrapa Meio Ambiente (2010), “um dos principais objetivos da Educação Ambiental (EA) consiste em contribuir para a compreensão da complexidade do ambiente em suas dimensões ecológicas, econômicas, sociais, culturais, políticas, éticas e tecnológicas, de maneira a sensibilizar a coletividade quanto a importância de sua organização e participação na defesa de todas as formas de vida.”

Fonte: http://www.portaldosformadores.com/?p=147


Princípios da Educação Ambiental (EMBRAPA)

1) A Educação é direito de todos; somos todos aprendizes e educadores.

2) A Educação Ambiental deve ter como base o pensamento crítico e inovador, promovendo a transformação da sociedade.

3) A Educação Ambiental é individual e coletiva. Tem o propósito de formar cidadãos com consciência local e planetária.

4) A Educação Ambiental não é neutra, mas ideológica. É um ato político.

5) A Educação Ambiental deve envolver uma perspectiva holística, enfocando a relação entre o ser humano, a natureza e o universo de forma interdisciplinar.

6) A Educação Ambiental deve estimular a solidariedade, a igualdade e o respeito aos direitos humanos, valendo-se de estratégias democráticas.

7) A Educação Ambiental deve tratar as questões globais críticas, suas causas e inter-relações em uma perspectiva sistêmica, em seu contexto social e histórico.

8) A Educação Ambiental deve facilitar a cooperação mútua e eqüitativa nos processos de decisão, em todos os níveis e etapas.

9) A Educação Ambiental deve recuperar, reconhecer, respeitar, refletir e utilizar a história indígena e culturas locais, assim como promover a diversidade cultural, lingüística e ecológica.

10) A Educação Ambiental deve estimular e potencializar o poder das diversas populações, promovendo oportunidades para as mudanças democráticas de base que estimulem os setores populares da sociedade.

11) A Educação Ambiental valoriza as diferentes formas de conhecimento. Este é diversificado, acumulado e produzido socialmente.



Fonte: http://www.portaldosformadores.com/?p=147



12) A Educação Ambiental deve ser planejada para capacitar as pessoas a trabalharem conflitos de maneira justa e humana.

13) A Educação Ambiental deve promover a cooperação e o diálogo entre os indivíduos e instituições com a finalidade de criar novos modos de vida, baseados em atender às necessidades básicas de todos os indivíduos.

14) A Educação Ambiental deve integrar conhecimentos, aptidões, valores, atitudes e ações.

15) A Educação Ambiental deve ajudar a desenvolver uma consciência ética sobre todas as formas de vida com as quais compartilhamos este planeta, respeitar seus ciclos vitais e impor limites à exploração dessas formas de vida pelos seres humanos.

Fonte: BRASIL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). 2010. Disponível em: http://www.cnpma.embrapa.br/provejetos/index.php3?sec=eduam:::99. Acesso em: 20 de novembro de 2010.